[FP] Jessica Saltzman

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

[FP] Jessica Saltzman

Mensagem por Jessica Saltzman em Ter Fev 11, 2014 4:44 pm

color=#7a7a7a][/color]
 
Jessica Saltzman
16
Americana
Gregory Saltzman / Atena
Acampamento Meio-Sangue
Bissexual

Característica física & psicologia

Físicas: ? Tem cabelos loiros que vão até seu pescoço, completamente repicados e desnivelados. Tem um corpo curvilíneo. Seios fartos, que normalmente são escondidos por alguma jaqueta de couro. Tem suas coxas e sua bunda firme. Cintura fina e quadril largo. Tem uma beleza exótica e por isso sempre tenta se esconder em jaquetas e roupas mais largas, e cobrindo o rosto. Não tem uma imperfeição no rosto, tendo um padrão quase sobrenatural.  Sobrancelhas finas que acompanham os olhos e se encaixa perfeitamente no rosto, lábios carnudos e rosados naturalmente. Nariz pequeno e fino. Altura de mais ou menos 1,60.
 

Psicológicas: É o tipo de garota que está sempre com uma máscara para não mostrar suas emoções. É muito inteligente, presta atenção aos mínimos detalhes de tudo, mas se for demasiado fácil ela para de prestar tanta atenção. É bonita e sabe usar isso sem ser vulgar. Odeia pessoas vaidosas e costuma não se arrumar muito para sair ou coisas assim. Tem um forte por adrenalina, adora fazer qualquer coisa que possa fazer com que ela se sinta livre.
Costuma ser distante, fria, ignorante, sarcástica e irônica com quem não conhece. Sua máscara impassível, não costuma sumir mesmo com seus amigos.
É mais solta com os amigos, mas quase nunca deixa sua máscara de frieza, se você for realmente importante, conhecerá uma garota preocupada e engraçada. Se precisar de alguém para conversar pode contar com Jessica, ela com certeza dará ótimos conselhos.
É manipuladora nata, tem ótimos argumentos. Sabe o que a pessoa quer ouvir e a hora que a pessoa quer ouvir. É muito observadora e pega os mínimos detalhes, assim pode usar contra quem quer que seja.
Consegue convencer qualquer um, não importando a dificuldade. Quando irritada, normalmente manda um olhar que amedrontaria qualquer homem, mesmo o mais forte. É bastante intuitiva, tanto que suas decisões e pressentimentos quase nunca falham. Tenta sempre manter suas emoções em seu controle. Terrivelmente orgulhosa, ela nunca será a primeira a se desculpar.
História

Sempre vivi com meu pai, o famoso cientista e médico Gregory Saltzman. Ele sempre fora um pai equidistante, se comparado com os pais de minhas  amizades, ou seja, de Hanna Bakerfield e Travis VonCrimson. Você deve estar pensando: “só dois amigos?”
Para você, pode ser só dois, mas para mim são os melhores amigos que eu poderá desejar. Eles foram os únicos que conseguiram, digamos assim, me conquistar. Eu sou o tipo de garota que não aceita muito bem a presença de companhia que eu considere de certo modo chula. E é por isso que quando alguém consegue se tornar meu amigo, sabe dar valor por saber o quão difícil foi para conseguir isso.
Mas voltando, ele nunca deu a devida atenção que qualquer criança merecia, e por isso me deixava com uma governanta mandona que só fazia dormir na minha casa, mas cuidar de mim, nem pensar.
Isso me irritava de uma forma inimaginável por ele e essa irritação só aumentava quando ele me julgava por ter dislexia e déficit de atenção. Mas eu sempre relevei.


 
Chegada ao Acampamento

Em um dia de sexta-feira, eu tive uma briga horrível com meu pai, pois o mesmo me chamou de inútil e me disse que só sirvo para lhe dar dor de cabeça. O motivo? Eu simplesmente havia sido expulsa de uma das melhores escolas de San Francisco.
Não aguentei calada e lhe disse várias verdades, que eu guardava em minha mente e que eu já deveria ter dito a muito tempo. Resultado: Fui expulsa de casa, e saí de lá apenas com a roupa do corpo. Vaguei pelas ruas por algum tempo, até que lembrei de um lugar que eu poderia fica: A casa do meu melhor amigo, Travis VonCrimson.
Depois de caminhar por duas quadras, cheguei em sua casa, e o encontrei apenas de calças, o que fazia com que seu abdome ficasse a mostra. E sim, eu corei.
Ele riu de mim, e me convidou para entrar, e assim que entrei, expliquei-lhe toda a história. Ele me deixou dormir em sua casa pelo tempo que fosse preciso, e lhe agradeci.
No sábado pela manhã, decidimos ir comprar algumas coisas para comermos, mas ao sairmos de casa, tive a impressão de que estava sendo observada. Olhei para trás, procurando algo, mas nada encontrei. Dei de ombros e continuei a caminhar.
Estava totalmente absorta em pensamentos, até que ouvi alguém dizer atrás de mim:
- Cria de Apolo, vejo que essssstá muito bem acompanhado.
Travis se virou e eu o acompanhei, e a minha frente vi uma criatura estranha, que tinha pernas que se assemelhavam a caudas de serpentes. Olhei assustada para ela e então ela disse:
- Que bonita... Terei muito prazzzzer em acabar contigo.
Aconteceu tudo muito rápido, e quando vi, eu estava sentada de bumbum no chão enquanto Travis lutava com aquela mulher estranha, segurando um tipo de adaga. Ele conseguiu derrubá-la e então disse:
- Jess, pega! – E então jogou sua adaga para mim.
A segurei com certa rapidez, o que me intrigou, pois na aula de queimado eu sempre era a primeira a sair. A criatura, que se assemelhava à descrição de uma criatura mitológica que eu ouvi na aula de história, veio em minha direção e tentou me acertar, desviei dela e então tentei acertá-la com a adaga. Consegui fazer um pequeno corte em seu braço direito, e com isso a deixei com raiva. Olhei para seu braço, esperando ver sangue, mas ao invés disso, vi que do corte saia uma espécie de pó dourado de aparência meio espessa.
Ela veio para cima de mim, e então começamos a travar uma batalha, porém ouvi Travis dizer:
- Hey, criatura nojenta!
A mulher metade serpente olhou para ele e vi que Travis agora carregava em mãos um arco. Ele começou a atirar várias flechas na criatura. Dracaenae, lembrei, esse era o nome que tinha ouvido antes. Eles estavam nessa de ataca-defende, até que por um descuido, Travis fora atingido e foi ao chão. A dracaenae foi em sua direção e vi que essa era a minha chance. Peguei a adaga e então desferi um golpe contra seu pescoço, o rasgando, fazendo a criatura virar pó.
- Travis... O que acabou de acontecer aqui? – gritei para ele.
- Jessie, não surta... Bom, eu vou resumir pra você. Seu pai conheceu sua mãe e eles eram apaixonados e você nasceu, mas isso você já sabe. Bom, o que você não sabe é que sua mãe é uma deusa, sabe? Deuses mitológicos e tal. Eu sou filho de Apolo, e estava te protegendo esse tempo todo pra que você não... Morresse. É. Entendeu?
Ouvi atentamente a tudo que ele disse, até que vi tudo ficar turvo e tudo que ouvi antes de cair na inconsciência foi:
- Jessica!
 
----------x---------
Quando me acordei, estava em uma espécie de chalé onde estavam várias pessoas com machucados e o céu já escurecia. Estranhei e então tentei levantar, mas ao tocar o chão, não consegui sentir minhas pernas e eu quase fui ao chão, mas alguém me segurou:
- Vai com calma aí, Sica. – Era Travis.
Ele me sentou na cama e então perguntei-lhe:
- Onde eu tô?
- Acampamento Meio-Sangue, lar de todos os semideuses, como nós!
- O-O quê? Aquilo não foi um sonho?
- Não... Me surpreendeu você de primeira ter conseguido acabar com uma Dracaenae... Parabéns, chica.
- Travis, se isso tudo é verdade mesmo... De quem eu sou filha?
- Você é uma semideusa indeterminada, baixinha.
- Ah... Tem quanto tempo que cheguei aqui?
- 3 dias, 17 horas e 26 minutos. 27 agora.- Ele disse sorrindo.
- Eu fiquei apagada por três dias???
- Aham, já achei que você tava em coma.
Sorri com o pensamento de meu amigo e lhe beijei a bochecha, ainda assustada pelo que ele havia me dito.
 
Reclamação

Depois que aceitei parte da história, Travis me mostrou praticamente tudo do tal acampamento e parou no refeitório, pois segundo ele já era a hora do jantar. Assim que coloquei as comidas no prato, percebi que todos estava indo na direção de um tipo de “fogueira” onde jogavam parte de sua comida e diziam algumas coisas. Perguntei a Travis o porquê disso e ele disse que todos estavam fazendo oferendas para seus pais, e que eu teria que fazê-lo também, e como eu não tinha mãe definida, precisaria oferecer a comida para a deusa de quem mais eu tinha expectativa de ser filha. Quando chegou minha vez, ofereci parte da comida para a deusa da sabedoria e da estratégia em batalha, Athena. Eu me identificava bastante com ela, não só sua aparência, mas também sua justiça e sabedoria, que são coisas que admiro tanto nela quanto nos mortais. Admiro também sua proteção em consideração aos filhos e aos seus heróis. Já estudei muito sobre ela, e admiro seus grandes feitos. Também acho que tenho várias características que me assemelham à Athena, como minha capacidade para criar estratégias, a opinião que guerras são extremamente desnecessárias, sempre levo o meu bom senso a sério e mesmo estando com raiva, apenas algumas vezes falo coisas desnecessárias, pois sei que devo me reter algumas vezes.
Pedi para que fosse reclamada, e para que eu não me sentisse mais tão sozinha. Sorri ao sentir uma brisa aconchegante passar por mim e então sentei-me na mesa do chalé de Hermes, esperando e orando para que fosse reclamada.
 Quando todos terminaram o jantar, grande parte das pessoas se reuniram ao redor de uma grande e bela fogueira, onde cantaram e fizeram algumas brincadeiras, até que de repente todos pararam e olharam para algo acima da minha cabeça, e então ouvi Travis dizer:
- Saúdem Jessica Saltzman, a mais nova filha de Athena!
E então a partir daquele momento, eu soube que tinha encontrado o meu lugar.
thanks rapture

 
avatar
Jessica Saltzman

Mensagens : 1
Data de inscrição : 11/02/2014

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum